sexta-feira, 27 de Março de 2009

Algoz em destaque no Programa "Vidas com Histórias"


Decorreu no dia 27 de Março de 2009 o 4º programa de Rádio Vidas com História, na Rádio Lagoa.
Foram nossos convidados o presidente da Junta de Freguesia de Algoz e a D. Rosa Ramos, adulta que se certificou recentemente no nível Básico.
O programa teve como objectivo dar a conhecer a importância da parceria estabelecida entre a Junta de Freguesia de Algoz e o Centro de Novas Oportunidade de Lagoa. Até ao momento já foram certificados em Algoz 50 adultos (48 no nível básico e 2 no nível secundário).
Através desta parceria o CNO ESE/UALG faz deslocar às instalações da Junta de Freguesia as suas Profissionais de RVC e Formadoras, oferecendo à população local a oportunidade de certificar as suas competências.
A D. Rosa Ramos, auxiliar de Acção Educativa no Jardim de Infância de Algoz, falou-nos da sua experiência pessoal e da importância que o RVCC teve na sua vida. O processo RVCC permitiu tornar-se mais autónoma e autoconfiante. Hoje em dia, com 64 anos de idade, tem o seu portátil e liga-se à internet com frequência para ir actualizado o seu blogue de poemas. Deixamos um poema seu dedicado às crianças:

Ser Criança

Ser criança é ter amor, compreensão e carinho
Não fazer birras com os pais
Não pedir mais do que podem ter
Dinheiro mal gasto é demais

Os pais se bem pensarem
Não compensavam os seus filhos com brinquedos
Davam-lhes amor compreensão
Porque dar o que não podem, nada lhes serve

Ser criança é uma felicidade
É saber aos mais velhos respeitar
Aprender na escola
O que seus pais não sabem ensinar

Ser criança é crescer ter amor
Ter alegria e brincar
Tem tempo quando crescer
As maldades do mundo enfrentar

Criança alegre e descontraída
Já é difícil de encontrar
Hoje com tantos problemas com os pais
Não têm paciência nem tempo de os aturar

Entregam-nos às escolas
Enquanto vão trabalhar
Muitos pais até se esquecem
de à tarde os ir buscar

Coitada daquela criança
Que leva todo o dia a olhar
Vê chegar os pais dos colegas
E os pais dele sem chegar

Quando os seus pais chegam
Que lindo brilho no seu olhar
Os pais entregam-lhe um presente
Para a ausência compensar

Não era o presente que ele queria
Mas sim seus pais ver chegar
Que ali levou todo o santo dia
Olhando quem o viria buscar
Rosa Ramos

Entrevista a Joaquim do Arco, director do Curso de Educação Social da ESE/UALG


Entrevista publicada na Página do CNO, na Gazeta de Lagoa



Decorreu no dia 12 de Março o 1º Circulo de Leitura do CNO promovido pelo Grupo de Práticas. O dinamizador foi o Professor Joaquim do Arco que conduziu uma animada sessão através das quadras do poeta algarvio António Aleixo.
A leitura é importante para que as pessoas reflictam acerca da sua própria realidade. Através dela os indivíduos vão construindo diversos significados acerca do que lêem consoante a sua experiência de vida. Assim, como futuras Educadoras Sociais, esperamos contribuir para promover o gosto pela leitura, suscitando o espírito crítico de todos os participantes.
Nos dias 9 de Abril e 7 de Maio, o Grupo de Práticas do CNO de Lagoa irá promover mais dois Círculos de Leitura no sentido de dar continuidade a esta actividade.
Actualmente, Joaquim do Arco lecciona a Unidade Curricular, Educação de Adultos, tendo desenvolvido vários projectos no terreno nessa área. Nesse sentido, formulamos algumas questões sobre a importância dos círculos de leitura e a área de Educação de Adultos.

Grupo de Práticas (GP) – Qual o contributo do curso de Educação Social para o desenvolvimento da Educação de Adultos?

Joaquim do Arco (JA) - O Curso de Educação Social tem nos seus objectivos a construção de conhecimentos e competências adequadas ao futuro educador social no âmbito da sua intervenção na comunidade local, seja urbana, rural, piscatória. Assim, como profissional vai ter uma acção de natureza educativa que contribuirá para a promoção dos indivíduos e das comunidades no sentido da mudança e transformação social. Isto é Educação de Adultos

GP – Considera que os Centros Novas Oportunidades vão ao encontro dos objectivos da Educação de Adultos?

JA- Considero que os CNOs podem ter um papel muito importante no desenvolvimento da Educação de Adultos se ajudarem os adultos a recomeçar os estudos que abandonaram (voluntária ou involuntariamente), se ajudarem os adultos na obtenção de maior formação académica para melhorarem a situação profissional, se ajudarem na actualização e consolidação de conhecimentos, se contribuírem para a formação profissional e para a empregabilidade e não apenas preocupados com a empregabilidade e não esquecerem áreas da educação de adultos tão fundamentais como a alfabetização, a animação socioeducativa, a educação popular, a educação cívica, em síntese, a educação ao longo da vida

GP - Na sua perspectiva, que importância poderá ter um Círculo de Leitura num Centro de Novas Oportunidades?

JA- Em complemento da resposta anterior direi que sensibilizar as pessoas para a leitura deve ser uma actividade quase obrigatória para quem persegue os objectivos da Educação de Adultos. Porque o círculo de leitura, tem como principal objectivo falar de leitura e para se falar de leitura é preciso ler. E ler é pensar. Através da leitura a pessoa amplia os seus horizontes no tempo e no espaço. E porque ler é um processo de reacção individual que varia de pessoa para pessoa, uma vez que cada leitor interpreta, compreende, aceita ou não aquilo que lê de acordo com as experiências que possui. Porque quem lê, vê mais, quem lê, sonha mais, quem lê, decide melhor.

Depoimento de Sofia Góis

Depoimento publicado no Jornal Gazeta de Lagoa no dia 20 de Março


O meu nome é Sofia, tenho 32 anos e conclui o processo RVCC com equivalência ao 9º ano no dia 18 de Fevereiro.
Queria aqui deixar o meu testemunho de forma a incentivar quem não teve oportunidade, tal como eu, de se escolarizar minimamente devido a este ou aquele motivo. Por isso agarrei esta oportunidade de poder Reconhecer, Validar e Certificar as minhas Competências adquiridas ao longo dos anos.
O Centro Novas Oportunidades de Lagoa dispõe de profissionais e formadores muito qualificados e dedicados a ajudar nesta tão importante conquista pessoal dos adultos inscritos, oferecendo assistência e acesso informático com um amplo horário, facilitando o pós- laboral.
Fazendo o balanço, chego à conclusão de que aprendi muito ao longo do processo e de que tinha mais conhecimentos do que imaginara, saindo mais segura e auto confiante das minhas capacidades como mais preparada para o mercado de trabalho que se tornou tão competitivo.
Agora que terminei, sinto um " bichinho" que me diz para continuar a me instruir, pois é tão compensador!

Sofia Góis

De estagiária a Profissional de Reconhecimento e Validação de Competências (RVC)

Depoimento da Profissional de RVC Daniela Luz, publicado na Gazeta de Lagoa no dia 20 de Março

Iniciei o meu estágio curricular do curso de Educação Social no Centro Novas Oportunidades da Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve (CNO/ESE-UALG), sedeado em Lagoa, no ano lectivo de 2007/08. Escolhi este local de práticas, não só pelo meu curso apresentar uma forte componente na área da Educação de Adultos, mas também pelo fascínio e desafio pela área, pelo querer aprender mais, e por saber que a teoria e que os verdadeiros princípios da Educação de Adultos aqui nesta instituição são postos em prática. De facto, o estágio que fiz juntamente com as minhas colegas Ana Viegas e Lara Serafim, veio-me a dar um conhecimento abrangente acerca da realidade dos Centros Novas Oportunidades, desde as boa práticas às fragilidades inerentes a centros com esta tipologia. Aliás, não só com o CNO/ESE-UALG mas com outras instituições com quem estabelecemos parcerias, sendo esta partilha muito enriquecedora.
Iniciei as minhas funções como Profissional de RVC em Setembro de 2008. Apesar de estudarmos o Processo Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) em algumas disciplinas do curso, considero que o estágio valeu-me de muito, pois quando vim para esta instituição a realidade já me era familiar e conhecia o funcionamento e todo método de trabalho, inclusive o lidar com este tipo de público. No entanto, vim exercer uma nova função que apenas conhecia na teoria e assim um novo desafio se aproximava…
Os adultos que ficaram à minha responsabilidade, quer de nível básico quer de nível secundário, já se encontravam em processo, sendo mais outro desafio, conhecer as histórias de vida pessoal de cada um para poder trabalhar com eles o referencial e ir ao encontro das necessidades, gostos e motivações. Visto que alguns adultos já iam a meio do processo foi necessário algum esforço para me apropriar do trabalho de cada um, pois trata-se de um acompanhamento muito personalizado. É fulcral levar em consideração a história e experiência de vida da pessoa que está sentada à nossa frente.
Efectivamente é um trabalho apaixonante e que me cativa cada vez mais, em que todos os dias os adultos têm algo para me ensinar. É óptimo dar ênfase e ajudar a encontrar sentido para os itinerários de cada um. É um trabalho muito exigente que requer muita dedicação, uma entrega! É bastante compensador podermos observarmos as evoluções de um adulto desde que inicia o processo até que o termina. Melhor ainda é vê-los com vontade de mais e mais… sendo bastante importante incentivarmos à continuação do percurso formativo e outros projectos de vida que estejam relacionados com a pessoa em questão. Mas ao fim e ao cabo não são só os adultos que evoluem neste processo, nós técnicos, também crescemos todos os dias um bocadinho…
Para além de tudo, este tipo de processo requer um bom trabalho de equipa e espírito para trabalhar em grupo e não posso deixar de mencionar que não é só com os adultos que estou a aprender e a partilhar. Muito obrigada a toda a equipa do CNO/ESE pela partilha!
Deixo-vos então, uma frase de Agostinho da Silva, “Todo o ser humano é diferente de mim e único no universo; não sou eu, por conseguinte, que tem de reflectir por ele, não sou eu quem sabe o que é melhor para ele, não sou eu quem tem de traçar o caminho; com ele só tenho o direito, que é ao mesmo tempo um dever: o de ajudar a ser ele próprio.”


Daniela Luz, Profissional de RVC

quinta-feira, 26 de Março de 2009

Oficina Artística de Pintura em Vidro


Vai decorrer no Centro de Novas Oportunidades em Lagoa, uma Oficina Artistica de Pintura em Vidro, com materiais reciclados.

A Oficina será dinamizada por Maria Conceição Vieira, especialista em pintura em vidro, espelho e azuleijo.


Esta é uma boa oportunidade para aproveitar os boiões, frascos e garrafas que tem em casa e transforma-los em bonitas peças decorativas.

O que são os CNOs e o que permitem

Depoimento da Técnica de Diagnóstico e Encaminhamento do CNO ESE/UALG, publicado na Gazeta de Lagoa no dia 13 de Março.


Os Centros Novas Oportunidades estão inseridos na Iniciativa Novas Oportunidades e constituem-se como agentes centrais na resposta ao desafio da qualificação dos portugueses. Desta forma, podem ser vistos como uma «porta de entrada» para as diversas ofertas de qualificação e certificação que hoje existem e que permitem concluir o 4º, 6º, 9º ou 12º ano de escolaridade.
Os Centros Novas Oportunidades têm assim como missão assegurar a todos os cidadãos, maiores de 18 anos, uma oportunidade de qualificação e certificação, de nível básico ou secundário, adequada ao seu perfil e necessidades. Para tal, os Centros Novas Oportunidades estão inseridos numa rede nacional, constituída hoje em dia por centros, cujos princípios orientadores são:
- Abertura e flexibilidade – cada Centro deve organizar-se para responder a um público diversificado, respeitando e valorizando o perfil, as motivações e as expectativas de cada indivíduo;
- Confidencialidade – no tratamento da informação prestada pelo adulto e resultante do processo desenvolvido no Centro;
- Orientação para os resultados – assegurar a efectiva concretização das respostas às necessidades de qualificação e certificação dos adultos;
- Rigor e eficiência – rigor, exigência e eficiência no desenvolvimento de todos os percursos de qualificação e certificação;
- Responsabilidade e autonomia – desenvolver práticas de autonomia, responsabilidade e cooperação com diversas entidades parceiras. (Fonte: Carta da Qualidade dos Centros Novas Oportunidades, Agência Nacional para a Qualificação, 2007)

O Centro Novas Oportunidades da Escola Superior de Educação da Universidade/Lagoa, insere-se na rede nacional de Centros Novas Oportunidades e está ao seu dispor para ajudá-lo(a) a concluir o 4º, 6º, 9º ou 12º ano.
Ao inscrever-se no nosso Centro, terá de realizar o seguinte percurso:
1. Acolhimento: inicia-se com a sua inscrição e termina com a realização de uma Sessão de Esclarecimento em grupo;
2. Diagnóstico/triagem: realização de uma entrevista individual para recolha de informações sobre o seu percurso de vida, os seus objectivos, necessidades e expectativas;
3. Encaminhamento: apresentação e negociação dos possíveis percursos educativos que mais se adequam ao seu perfil e escolha de um desses percursos. Alguns desses percursos são: Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC); Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA); Vias alternativas de conclusão do secundário; Cursos de Educação e Formação (CEF); Cursos de Especialização Tecnológica (CET); Ensino Recorrente; Cursos Profissionais e Ensino Superior + 23.
4. Início de um dos percursos de qualificação e certificação, no Centro Novas Oportunidades ou numa entidade formadora exterior ao Centro.

Luciana Furtado, Técnica de Diagnóstico do CNO ESE/UALG

Entrevista sobre a Felicidade

No passado dia 13 de Março foi publicada mais uma edição da Página do CNO ESE/UALG. Quem teve acesso ao Jornal Gazeta de Lagoa, pôde ler uma entrevista sobre a Felicidade com o Consultor Filosófico Jorge Humberbo Dias.

Se não teve acesso ao Jornal, leia agora.


Felicidade e Projectos de Vida em debate no dia 16 de Março

Realiza-se no dia 16 de Março, pelas 19h30, no Centro de Novas Oportunidades da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve (CNO ESE/UALG), um workshop intitulado Felicidade com ou sem trabalho?
A Oficina Prática será coordenada pelo Consultor Filosófico Jorge Humberto Dias, e tem como finalidade debater a importância dos Projectos de Vida e do Plano de Desenvolvimento Pessoal na concretização da Felicidade Pessoal.
Jorge Humberto Dias é autor do livro Pensar Bem. Viver Melhor. Filosofia Aplicada à Vida e dirige actualmente o Gabinete Project@. Tem um método próprio de resolução de problemas existenciais e acredita que a Felicidade é possível, desde que se trabalhe na sua construção.
A Felicidade é uma das grandes finalidades da vida humana e nesse sentido procuramos respostas junto de Jorge Dias sobre este tema e sobre a actividade que irá coordenar no CNO ESE/UALG.

Grupo de Práticas (GP) – Porque existem pessoas que aparentemente são felizes e outras não?

Jorge Dias (JD)
– Provavelmente, porque algumas pessoas conseguiram obter resultados positivos nos projectos que já desenvolveram.

GP
Qual a importância dos Projectos de Vida e dos Planos de Desenvolvimento Pessoal na concretização da Felicidade?

JD
– Toda. Sem Projectos de Vida e sem Planos de Desenvolvimento Pessoal não é possível ser feliz. A felicidade é o resultado de uma construção que a pessoa faz na sua vida. Para obter bons resultados é necessário ter bons projectos, e para isso é essencial que a pessoa tenha algumas competências racionais. Apesar de termos uma dimensão fisica e corporal, que nalguns aspectos nos aproxima dos animais, por outro lado, temos uma dimensão própria da nossa espécie – a humana – que nos “obriga” a construir um caminho especial na vida e a viver uma felicidade única no planeta: aquela que resulta das concretizações dos nossos projectos.

GPAlguns Projectos de Vida têm de ser planeados a longo prazo, mas hoje em dia a sociedade exige soluções rápidas. Por exemplo, o desemprego é uma ameaça constante a quem não se actualiza profissionalmente. Quais são as implicações de tal facto na Felicidade pessoal?

JD – Essa pergunta só poderá ser respondida pela pessoa que vive essa situação, ou seja, cada pessoa tem os seus valores e ideias, a partir dos quais elabora os seus projectos. Se para uma pessoa X, for essencial a concretização de um projecto de emprego, então é óbvio que a situação de desemprego lhe pode provocar alguma infelicidade. No entanto, para a infelicidade, não é suficiente o insucesso de um projecto. Seria necessário algo mais! Por outro lado, teríamos que perceber a situação concreta dessa pessoa que vive em desemprego, a saber, as suas causas, os seus valores, ideias, crenças e emoções. Depois, analisar o projecto que essa pessoa tem para a sua vida profissional, etc., etc.
Por exemplo, na actualidade, o lado emocional das pessoas pode funcionar como verdadeiro obstáculo na construção felicitária da pessoa, pois é a principal causa de ilusões, desvios e sofrimentos... Nesta dimensão, costumo aconselhar as pessoas a serem mais objectivas e racionais, pois facilita imenso o processo de ajuda e de construção do “projecto”...

GP
–O que se vai passar na sua Oficina Prática no dia 16 de Março no CNO ESE/UALG em Lagoa?

JD – Depende das necessidades das pessoas que aparecerem e da quantidade. Mas está previsto fornecer uma definição de Felicidade, analisar uma metodologia de desenvolvimento de projectos e ensaiar a avaliação da aplicação prática deste trabalho na vida de cada pessoa.

GP – A quem pode interessar esta actividade?

JD
– A qualquer pessoa, mas sobretudo àquelas que se consideram mais infelizes. Por outro lado, sendo a Felicidade um problema humano, temos de perceber que o seu processo não tem propriamente um início/fim predefinidos. Além disso, podemos sempre melhorar a qualidade da nossa vida, assim como incutir-lhe mais profundidade e riqueza.
Actualmente, são já bastantes as instituições que se preocupam com a felicidade dos seus funcionários, pois é evidente que a sua realização pessoal gera mais condições de produtuvidade e de sucesso.
É por esta razão que vemos técnicos de saúde a realizarem formação na área da Filosofia Aplicada à Saúde, empresários a estudar Ética Aplicada à Economia, funcionários a frequentarem cursos de Consultoria Filosófica para a Resolução de Conflitos, etc.
A felicidade tem várias dimensões e a filosófica é com certeza uma das mais importantes...

sábado, 21 de Março de 2009

Animação de Leitura juntou várias crianças e adultos no CNO

No primeiro dia da Primavera de 2009, a manhã foi muito animada no CNO em Lagoa. Várias crianças e adultos estiveram presentes para a 1º Animação de Leitura organizada pelo Grupo de Práticas do CNO. Os participantes foram convidados a escreverem uma história em rima e apresenta-la em fantoches.
Apresentamos uma das histórias:

Era uma vez um passarinho
que tinha um amigo cãozinho.
Um dia foram passear
e terminaram o dia a cantar.

Com tanto cantorio
até o urso os ouviu.
Num hino à amizade
se uniram com vaidade

Numa grande palhaçada
meteram-se numa grande alhada
cairam num grande buraco
e transformaram-se num macaco.

Leonor e Luciana









Em breve colocamos neste blogue os videos desta actividade. Não percam!




sexta-feira, 20 de Março de 2009

Animação de Leitura para Crianças e Adultos


No primeiro dia de Primavera, 21 de Março de 2009, decorre no CNO em Lagoa uma actividade que pretende juntar crianças e adultos!

Fantoches, histórias e muita animação!

Traga os seus filhos, netos, sobrinhos, amiguinhos.... mas não deixe de vir ao CNO em Lagoa passar uma manhã diferente e muito divertida`!

Às 10h esperamos por si e por ti!
Vejam só como a nossa Sala de Estudo está bonita!!!


terça-feira, 17 de Março de 2009

Felicidade esteve em debate no CNO



Decorreu no dia 16 de Março, no Centro de Novas Oportunidades em Lagoa, uma Oficina Prática sobre a Felicidade e os Projectos de Vida. A sessão foi animada pelo Consultor Filosófico, Jorge Dias, e contou com a participação de adultos em processo no CNO, Técnicos da Instituição, professores, técnicas de apoio social e outros membros da comunidade.


No final, concluiu-se que existem várias formas de se analisar a Felicidade, sendo a filosófica uma delas. Segundo a análise filosófica do nosso convidado, existem várias dimensões da Felicidade, que se espelham nos projectos que cada um empreende, racionalmente, consoante as suas necessidades e capacidades.


Foi defendido que para se ser Feliz, é necessário definir objectivos e estratégias, ou seja, definir um Projecto (s) de Vida, e concretiza-lo (s). No fundo, a Felicidade é vista como uma construção.


sexta-feira, 13 de Março de 2009

Programa "Vidas com História"


Decorreu no dia 13 de Março a segunda edição do Programa Vidas com História. Tivemos como convidados o adulto Cláudio Rebelo, que concluiu no dia 26 de Fevereiro de 2009 o seu processo RVCC de nível Secundário, e a Profissional de RVC, Daniela Luz.

Foi um programa muito animado e rico, tendo em conta que Cláudio Rebelo tem uma história de vida recheada de acontecimentos fantásticos. Além disso, tivemos oportunidade de conversar com a Daniela Luz, que no ano lectivo anterior foi estagiária no CNO ESE/UALG e que desde o final do ano passado é Profissional de RVC, e também ela tem uma história para contar.

1º Circulo de Leitura no CNO ESE/UALG



Decorreu no dia 12 de Março o 1º Círculo de Cultura promovido pelo Grupo de Práticas do CNO ESE/UALG. O nosso convidado especial foi o professor Joaquim do Arco. Foi um momento de boa disposição que permitiu aos presentes reflectirem sobre a sua vida, tendo como ponto de partida as quadras do poeta popular António Aleixo. No final os participantes sairam satisfeitos com o tempo de partilha que a actividade permitiu.




Entrevista com a Directora do CNO ESE/UALG

A primeira edição da Página do CNO ESE/UALG foi publicada no passado dia 6 de Março, na Gazeta de Lagoa. Nesta primera edição falámos com a Directora do Centro de Novas Oportunidades.

Se não teve acesso ao jornal, leia agora:

Os Centos NO regem-se pela Carta de Qualidade, aprovada pela Agência Nacional para a Qualificação (ANQ). Têm como missão encaminhar as pessoas para a realização de processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC), para Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) ou para outras ofertas formativas.
O CNO ESE/UALG é actualmente dirigido por Cláudia Luísa, professora da Universidade do Algarve, licenciada em Psicologia e em Educação e Intervenção Comunitária.


Grupo de Prática (GP) – Qual a importância dos Centros Novas Oportunidades?

Cláudia Luísa (CL) – Os Centros de Novas Oportunidades (CNO) representam uma oportunidade para todas as pessoas com idade igual ou superior a 18 anos, que não concluíram os estudos, mas que sempre sonharam vir a fazê-lo.
O Sistema de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências foi criado em 2001, tendo por base alguns pressupostos políticos, nomeadamente, que a escola não é o espaço único e muito menos privilegiado das aprendizagens e desenvolvimento das competências, pois estas podem ser adquiridas em contextos formais e não formais ao longo da vida do indivíduo.
No campo ideológico o sistema de RVCC apresenta-se como uma política inovadora, que reconhece o direito a mais de metade da população Portuguesa ao ensino e à qualificação. Por outro lado consagra uma multiplicidade de espaços de aprendizagem, que vão muito para além da escola, pois o indivíduo aprende e adquire competências em contexto profissional, pessoal, social, etc. Favorece ainda a cidadania porque se funda na autonomia do sujeito enquanto actor das suas experiências e do seu processo de reconhecimento e validação de competências. Está em causa a aquisição de saberes, bem como a criação de condições para o reconhecimento e justiça social, por uma parte das pessoas que não tiveram oportunidade de continuar a estudar.
O processo de RVCC para quem o conhece é um processo com enormes potencialidades e poderes junto da vida das pessoas, pois tem o poder de mudança sobre os actores sociais, implica voltar ao passado, recuperá-lo e reconstruí-lo, sendo esta uma tarefa muito importante em termos de desenvolvimento de cada ser na sua individualidade e consequentemente em grupo. Muitas das pessoas que nos chegam ao centro levaram a vida toda a acreditar que os saberes que tinham não valiam de muito, e quando confrontados com a pergunta: então diga-nos lá o que aprendeu na situação X, muitos referem que não aprenderam nada. Muitos vêem-se como seres oprimidos e tristes, sem objectivos, ao que a sua entrada no processo altera-lhes os sentimentos menos positivos e promove-lhes a confiança. O adulto à medida que vai tomado consciência do seu percurso e das aprendizagens que fez, começa a sentir-se valorizado e a reconhecer que a sua vida afinal foi e é importante, aliás uma série de característica pessoais são neste momento alteradas. Em muitos casos a passagem pelo processo de RVCC é uma experiência de redescoberta do próprio ser.
De acordo com a nossa experiência e para concluir poder-se-á dizer que os CNO’s favorecem a possibilidade de obtenção de um emprego por parte dos adultos desempregados, parecendo promover a aproximação ao mercado de trabalho dos adultos desempregados ou inactivos; beneficia também os adultos empregados, uma vez que se verifica em alguns casos um aumento de rendimentos, promovendo o processo de RVCC ganhos e melhorias na qualidade de vida das pessoas; promove a progressão nas carreiras e facilita a progressão de estudos, pois vão vários os adultos que depois de concluírem o processo decidem continuar a estudar e a aumentar as suas qualificações.

GP – Qual o papel do CNO ESE/UALG na comunidade onde está inserido?

CL – A pertinência deste Centro prende-se com diversos aspectos. De salientar que quando o CNO da ESE/UALG abriu em Janeiro de 2006, fruto de uma parceria privilegiada com a Câmara Municipal de Lagoa, era o único que se encontrava no Barlavento Algarvio, apesar de nos últimos tempos termos presenciado uma crescente abertura de novos CNO, nos concelhos limítrofes. No entanto é importante referir que o CNO da ESE/UALG, foi também um dos primeiros centros, no Barlavento Algarvio, a iniciar a certificação de nível secundário.
O facto de estarmos perante o Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências, no Concelho de Lagoa é um investimento na promoção e contribuição para a qualificação da população local, que apresenta baixos índices de escolaridade, bem como uma fonte de informação e divulgação da oferta académica da Universidade do Algarve e de outras entidades regionais.

GP – Que projectos pretende o CNO ESE/UALG vir a desenvolver?

CL – O Centro irá continuar a assegurar a qualificação da população local, fazendo o reconhecimento, a validação e certificação de competências de nível básico e secundário a todos os adultos que nos procurem. Pretendemos ainda dinamizar o centro com algumas actividades de carácter informático, cultural e educativo que possam ser uma mais valia para a população do concelho de Lagoa. Outros projectos poderão vir a ser dinamizados no futuro na área da educação de adultos, sobre os quais neste momento estamos a trabalhar e que em breve serão divulgados.